Japão

COVID-19: Suspeita de fraude entre empresas

Seis prefeituras eliminaram os registros de organizações que oferecem testes gratuitos de coronavírus sob um programa financiado pelo governo ou emitiram orientações administrativas por suspeita de irregularidades, de acordo com uma pesquisa do Yomiuri Shimbun.

As pessoas que podem estar infectadas com o coronavírus podem fazer o teste gratuitamente sob o esquema, que começou em dezembro. O projeto é administrado pelos governos das províncias e existem cerca de 13.000 locais de teste em todo o país.

As organizações que realizam os testes recebem subsídios de até ¥ 9.500 por teste de PCR e ¥ 4.000 por teste de antígeno.

Em setembro, o Yomiuri Shimbun pediu a 47 prefeituras que divulgassem o número de casos em que as organizações de teste foram punidas ou receberam instruções administrativas. A prefeitura de Miyagi não respondeu à pergunta.

Fukushima, Saitama e Kanagawa disseram que descartaram os registros de organizações de testes. As três prefeituras registraram uma clínica com sede em Tokyo como operadora de testes em março e abril, mas a clínica deixou de operar em julho do ano passado.

O registro foi desfeito entre abril e julho depois que se soube que o nome da clínica estava sendo usado sem permissão. O caso foi revelado depois que um ex-diretor da clínica relatou o assunto às autoridades.

Apenas instituições médicas, farmácias e centros de inspeção sanitária são elegíveis para realizar testes gratuitos no âmbito do projeto.

As três prefeituras não conseguiram detectar a fraude porque não exigiram a apresentação de documentação oficial comprobatória durante o processo de triagem no momento do registro.

De acordo com a pesquisa, apenas 26 prefeituras verificaram a documentação oficial de todas as organizações em potencial. As demais prefeituras não verificaram os documentos apresentados ou realizaram a verificação para um número limitado de organizações.

A pesquisa descobriu que as prefeituras de Osaka, Hyogo e Okinawa emitiram orientações administrativas para 17 operadores por suspeita de irregularidades.

Na província de Osaka, algumas pessoas foram incentivadas a fazer testes de PCR e de antígeno ao mesmo tempo, permitindo que o operador recebesse subsídios duplos.

O governo central destinou ¥ 320 bilhões para o programa de testes gratuitos.

Fonte/Foto: Yomiuri Shimbun

Japão Aqui e o brasileiro cada vez mais “japonês”. De refugiado econômico a imigrante nipo-brasileiro, fizemos o caminho inverso dos japoneses que atravessaram oceanos após a segunda guerra mundial.

Em 2007 após atingir a marca de 316.000 brasileiros oficialmente residentes no Japão o “Lehman shock” em 2008, esvaziou nossa comunidade em cerca de 140.000 pessoas, nos anos que se seguiram. Hoje em 2019, voltamos a crescer atingindo a marca de 193.798 brasileiros residentes (junho-2018 / Ministry of Internal Affairs and Communications).

Japão Aqui tem bloggers e tradutores com a missão de facilitar o entendimento das notícias japonesas.

Copyright © 2020 MCOM K.K.

To Top