Japão

KAGOSHIMA: N°1 na produção de chá verde

A província de Kagoshima ultrapassou Shizuoka em produção equivalente às vendas de chá verde, ganhando o primeiro lugar no Japão, com diferenças nos métodos de cultivo entre as duas prefeituras e mudanças nos gostos dos consumidores por trás da mudança.

Kagoshima teve uma produção equivalente a ¥25,2 bilhões (US $ 2,32 milhões) em vendas de folhas de chá verde em 2019, em comparação aos ¥25,1 bilhões de Shizuoka, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Silvicultura e Pesca.

Shizuoka perdeu a posição de líder japonesa na produção de chá que ocupava desde 1967, quando os dados foram compilados pela primeira vez.

A produção em Shizuoka diminuiu mais de 40% na última década, enquanto a de Kagoshima permaneceu constante.

Como Kagoshima tem extensas áreas de terra plana em comparação com o resto do Japão, os produtores de chá locais promoveram o cultivo em grande escala e capitalizaram na crescente demanda por chá engarrafado. Em contraste, Shizuoka continuou a se concentrar no chá de alta qualidade.

Dada a persistente contração do mercado interno, no entanto, as duas prefeituras estão intensificando os esforços para aumentar as exportações.

As fazendas de chá costumam ficar em encostas íngremes em Shizuoka, dificultando a introdução de maquinários grandes para os produtores.

Os gastos com bebidas à base de chá, como chá engarrafado, chegaram a ¥7.676  por família em 2020, um aumento de 34% em relação à década anterior, enquanto o consumo de chá de folhas soltas, feito em bules, caiu 16% para ¥3.817, de acordo com uma pesquisa sobre famílias pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicações.

Os produtores da prefeitura central de Shizuoka, no Japão, priorizam a produção de “ichibancha” (primeira safra de chá) de alto preço que é fermentado em bules. Mas seu consumo está em declínio.

 

Fonte: Kyodo

Japão Aqui e o brasileiro cada vez mais “japonês”. De refugiado econômico a imigrante nipo-brasileiro, fizemos o caminho inverso dos japoneses que atravessaram oceanos após a segunda guerra mundial.

Em 2007 após atingir a marca de 316.000 brasileiros oficialmente residentes no Japão o “Lehman shock” em 2008, esvaziou nossa comunidade em cerca de 140.000 pessoas, nos anos que se seguiram. Hoje em 2019, voltamos a crescer atingindo a marca de 193.798 brasileiros residentes (junho-2018 / Ministry of Internal Affairs and Communications).

Japão Aqui tem bloggers e tradutores com a missão de facilitar o entendimento das notícias japonesas.

Copyright © 2020 MCOM K.K.

To Top