Internacional

Japão pode derrubar mísseis norte-coreanos

O Ministério da Defesa do Japão não tomou medidas sob a lei das Forças de Autodefesa (FDS) para destruir o míssil norte-coreano disparado sobre o Japão na terça-feira (4), julgando o perigo em território japonês. Mesmo que um míssil norte-coreano não cause danos ao Japão, o país pode derrubá-lo exercendo o direito de autodefesa coletiva com base nas leis de segurança nacional, e também caso o projétil caia em território americano, que é um país aliado.

O ministro da Defesa japonês tem o direito de ordenar que as FDS interceptem um míssil balístico que se aproxima, com a aprovação do primeiro-ministro, caso ele coloque em risco o território ou águas territoriais japonesas.

Os navios Aegis da SDF em águas ao redor do Japão e o sistema de defesa antimísseis terrestre Patriot Advanced Capability-3, ou PAC-3, estão em constante alerta contra qualquer lançamento de míssil.

De acordo com fontes do governo japonês, as informações de alerta antecipado sobre lançamentos de mísseis detectados por satélites dos EUA são transmitidas ao Ministério da Defesa japonês através do quartel-general das forças dos EUA no Japão e em outras rotas. O sistema de radar antimísseis da Japanese Air SDF e os navios Aegis rastrearão os mísseis que foram disparados.

Fonte: Kyodo | Foto: Korea News Service

Japão Aqui e o brasileiro cada vez mais “japonês”. De refugiado econômico a imigrante nipo-brasileiro, fizemos o caminho inverso dos japoneses que atravessaram oceanos após a segunda guerra mundial.

Em 2007 após atingir a marca de 316.000 brasileiros oficialmente residentes no Japão o “Lehman shock” em 2008, esvaziou nossa comunidade em cerca de 140.000 pessoas, nos anos que se seguiram. Hoje em 2019, voltamos a crescer atingindo a marca de 193.798 brasileiros residentes (junho-2018 / Ministry of Internal Affairs and Communications).

Japão Aqui tem bloggers e tradutores com a missão de facilitar o entendimento das notícias japonesas.

Copyright © 2020 MCOM K.K.

To Top