Morando no Japão

Crise do Ano Novo

DESANIMADO COM O RETORNO AO TRABALHO? CONHEÇA A CRISE DO ANO NOVO
As primeiras férias de Ano Novo da era Reiwa acabaram e hoje, grande parte da população japonesa está voltando ao trabalho.
Na média, foram 9 dias de férias, onde as pessoas costumam sair da rotina como mudança nos horários, festas, visitas de parentes, limpeza, viagens, compras e muita agitação.
Para alguns, o fim desse clima festivo traz um sentimento de desânimo e cansaço que é chamado de “Doença ou crise do Ano Novo”, muito comum no Japão.
O problema que no início parece ser apenas um cansaço passageiro pode se tornar sério caso não seja tratado devidamente.
Há relatos de casos de pacientes que fizeram muitas horas extras no final do ano e durante as férias, ficaram tão exaustas que no primeiro dia de trabalho não conseguiam mover o corpo. Após um mês tentando descobrir o motivo, descobriram que era a “crise do Ano Novo”
Hiroaki Harai, diretor e psiquiatra da Clínica Harai (Tóquio), explica que há vários nomes para esse tipo de depressão como “Crise de final de ano”, “Crise de maio”, “Segunda-feira azul”, “Síndrome de Sazae”, que é o nome de um desenho animado que é transmitido no domingo no final da tarde. Nenhum nome é oficial mas indica o mesmo tipo de problema, que é a depressão pós feriado.


O psiquiatra explica que no caso do feriado de Ano Novo, a crise tem a ver com o instinto animal que costuma hibernar ou diminuir o ritmo no inverno.
Se esse problema persistir até fevereiro, há chances do problema ser outro, então é aconselhável procurar um médico.
Para evitar essa crise transitória, algumas dicas podem ajudar:

– Evitar ficar acordado até tarde ou dormir demais
– Tomar banho de sol
– Simular a rotina de trabalho após as férias para se preparar a rotina
– Imaginar situações divertidas ao voltar ao trabalho
– Não sofrer sozinho e procurar desabafar com alguém

O desânimo é comum com o fim das férias, mas é importante procurar ajuda se o problema persistir. Fonte: Yahoo News

Japão Aqui e o brasileiro cada vez mais “japonês”. De refugiado econômico a imigrante nipo-brasileiro, fizemos o caminho inverso dos japoneses que atravessaram oceanos após a segunda guerra mundial.

Em 2007 após atingir a marca de 316.000 brasileiros oficialmente residentes no Japão o “Lehman shock” em 2008, esvaziou nossa comunidade em cerca de 140.000 pessoas, nos anos que se seguiram. Hoje em 2019, voltamos a crescer atingindo a marca de 193.798 brasileiros residentes (junho-2018 / Ministry of Internal Affairs and Communications).

Japão Aqui tem bloggers e tradutores com a missão de facilitar o entendimento das notícias japonesas.

Copyright © 2020 MCOM K.K.

To Top