Japão

Caminhoneiros: Alta do combustível e condições de trabalho

As diretrizes do governo sobre as condições de trabalho para motoristas de caminhão estabelecem que os motoristas devem “descansar por 30 minutos uma vez a cada quatro horas de condução” e que eles só podem estar “de plantão por no máximo 16 horas diárias”.

Os motoristas lutam todos os dias para apoiar o sistema de logística do Japão há mais de dois anos em meio à nova crise do coronavírus, mas eles se veem cada vez mais atormentados por horas de trabalho prolongadas e baixos salários, à medida que empresas menores disputam ofertas de entrega, além do aumento dos custos de combustível que estão sobrecarregando ainda mais. 

De acordo com o Ministério dos Transportes, os regulamentos que foram relaxados em 1990 causaram um aumento nos prestadores de serviços de entrega em todo o país. O número de fornecedores atingiu 63.000 no ano fiscal de 2007, acima dos 40.000 no ano fiscal de 1990, e permaneceu estável desde então.

Pequenas e médias empresas com até 300 funcionários correspondem por mais de 99% deles. Eles competem desesperadamente por contratos.

Além disso, as comissões são deduzidas de suas vendas sob subcontratos.

Os caminhoneiros passaram a lutar rotineiramente com salários mais baixos e restrições de tempo apertadas.

Dados compilados pela Japan Trucking Association com base em documentos governamentais revelam que a renda média anual dos motoristas de grandes caminhões de transporte foi de ¥4,54 milhões em 2020, o que é ¥330.000 abaixo da média de todos os setores.

A média anual de horas de trabalho foi de 2.532 em 2020, 432 horas a mais do que o número de todos os setores.

E o aumento vertiginoso dos custos de combustível foi um novo golpe para os caminhoneiros que já lutam contra a intensa concorrência.

O consumo de óleo em uma empresa de transporte chega a 30 mil litros por mês. O preço de compra do petróleo subiu para ¥127 na primavera passada, cerca de ¥40 a mais do que dois anos antes, apesar de um subsídio do governo.

Isso significa que as despesas com combustível aumentaram ¥1,2 milhão mensais.

Fonte: Asahi Shimbun     |     Foto: Yoshihiro Ogino/Asahi Shimbun

Japão Aqui e o brasileiro cada vez mais “japonês”. De refugiado econômico a imigrante nipo-brasileiro, fizemos o caminho inverso dos japoneses que atravessaram oceanos após a segunda guerra mundial.

Em 2007 após atingir a marca de 316.000 brasileiros oficialmente residentes no Japão o “Lehman shock” em 2008, esvaziou nossa comunidade em cerca de 140.000 pessoas, nos anos que se seguiram. Hoje em 2019, voltamos a crescer atingindo a marca de 193.798 brasileiros residentes (junho-2018 / Ministry of Internal Affairs and Communications).

Japão Aqui tem bloggers e tradutores com a missão de facilitar o entendimento das notícias japonesas.

Copyright © 2020 MCOM K.K.

To Top